Cap 3 - Estranhas Sensações

Por Wagner Colozzo Abril
Após saírem daquele buraco úmido e de aroma singular, o sopro de ar fresco seguido da vista daqueles campos que brilhavam ao pôr-do-sol fez com que o animo dos JEBAS explodisse dentro deles. Nesse momento descobriram que o odor dentro do túnel fez com que os kabaçômetros se desregulassem, e levaria algum tempo até que Ching os arrumasse. Eles estavam cansados, com fome, com sede e sem uma rota específica, mas agora não era hora de pensar em parar ou descansar. Afinal de contas, eles acreditavam estar próximos de retornar a Trolha antes do anoitecer. E foi com essa explosão de ânimo que os fálicos heróis saíram em disparada montanha abaixo para chegarem logo à cidade que parecia ser bem subdesenvolvida.
Quando chegaram à base da montanha, perceberam que o brilho daquele campo era de uma gigantesca plantação de estranhos frutos em forma de diamantes azuis. Frota inicia uma análise para descobrir se seria tóxico ou não para os trolhanos.
Frota: "Pelo que percebi essa fruta contém uma enorme quantidade de uma substância que nós usamos em nossas bebidas energéticas. Não faço idéia dos efeitos que tamanha dose possa fazer em um de nós. Vou levar algumas caso precisemos e para análises mais profundas."
Com alguns frutos nas malas, os Jebas seguem a caminhada até a cidade através da plantação quando viram uma linda camponesa que se banhava completamente nua em um lago de águas cristalinas.

Acharam que eu ia colocar uma mulher pelada? Isso é um blog de família...


Uma sensação estranha tomava conta do esquadrão que fora treinado para não sentir nada diante de qualquer inimigo, mas aquilo era algo totalmente novo. Não sabiam como explicar o fato de todos ficarem em estado de "sentido" mesmo que suas mentes lhes dissessem para abaixar e ficar escondidos. Estavam em um planeta estranho dominado por gigantes que mesmo sendo subdesenvolvidos, conseguiam hipnotizá-los sem nem ao menos olhar para eles. Black resolveu tomar a frente e ir interrogar a estranha criatura daquele planetinha. Black: "Olá habitante desse planeta. Eu sou Black, líder dos Jebas. Viemos em paz." Nesse momento a camponesa se assusta ao ver os trolhanos, cai dentro do lago e começa a gritar por socorro. Imediatamente Black continua a falar: "Não queremos fazer mal. Precisamos de ajuda para salvar nosso planeta natal. Por favor, nos ajude." A camponesa parou de gritar e gaguejando perguntou: "Vo-vo-vocês são de ooo-o-outro planeta?" Todos afirmaram e começaram as apresentações: "Eu sou o comandante Black, esse é Frota nosso técnico de campo, aquele é Schucruts nosso especialista em bombas, aquele é Ching Yung nosso especialista em eletrônica e aquele é nosso piloto Ganso. Nós somos do planeta Trolha" A camponesa ouviu tudo desde a falta de kabaços até a busca com atenção e surpresa por existirem seres daquela forma na galáxia. Quando os Jebas terminaram de contar a história, ela já estava mais calma e disse: "Meu nome é Anita e infelizmente não sei o que são esses kabaços. Talvez alguém na aldeia saiba. Mas tenho que avisar que o povo pode ficar meio empolgado por verem vocês. Acontece que em aqui na aldeia de Swing, toda noite tem uma festa e ninguém é de ninguém, se me entendem." Os Jebas concordaram, mas ficaram com expressão de que não tinham entendido o motivo do problema, quando Anita explicou como eram as festas, o motivo da plantação que eles viram quando desceram da montanha, o principal problema de suas formas e o que poderia acontecer com eles. Aquela sensação de hipnose misturada à empolgação voltou a tomar conta deles e antes que percebessem já estavam pulando pensando em como tinham sorte de cair em um planeta com criaturas como a camponesa.

Aldeia de Swing


Nesse momento Ching lembrou-se de VIH e que o contato com aquele povo poderia matá-los. Ching: "ATENÇON NÉ, VIH AKI!" Mesmo com um sotaque muito grande, todos entenderam o que Ching queria dizer. Aquele povo ainda não tinha exterminado a raça de VIH como já havia sido feito em Trolha. Eles precisavam ter cuidado porque esqueceram as roupas de proteção no Preservativo XXII. "Então vocês também conhecem VIH? Meu povo é imune ao veneno dele, então mesmo que ele os atinja nada acontece e podem continuar fugindo. Mas assim como eu alguns não são, tudo o que podemos fazer é fugir e torcer para não sermos pegos por seu ataque de veneno. Caso ele consiga nos envenenar, vamos perdendo as forças rapidamente e ele pode nos alcançar e devorar." Mais tranqüilos sabendo que não corriam perigo com Anita, os Jebas aceitam acompanhar sua nova amiga até a cidade para descobrirem se conseguiam alguma indicação de onde encontrar os kabaços.

Será que os outros habitantes vão se assustar com nossos heróis?
Será que vão achar os kabaços?
Que sensações foram aquelas que sentiram?

Não perca o 4º capítulo dessa estúpida estupenda história.

 

0 comments so far.

Something to say?