A verdade por trás da pane de ontem

Por Wagner Colozzo Abril
Era uma vez em uma cidade muito, muito distante um carteiro, seu nome era Picles Jr.

Picles Jr adorava seu emprego e conhecia até mesmo os cachorros da vizinhança, que nem o perseguiam mais. Um dia Picles Jr ouviu falar de um tal de e-mail e sobre como ele iria acabar com as correspondências como conhecia. Veterano das cartas, ele achou que seria impossível que isso acontecesse. "As pessoas sempre vão gostar mais das cartas do que dessas máquinas" pensou ele.

Passado alguns meses, ele percebeu que o peso de sua bolsa de cartas ficava cada dia mais leve e começou a se perguntar o que acontecia para as pessoas não escreverem mais umas para as outras. Perguntou a dona Maribel como estava sua surda mãe no Acre sendo que não entregara mais nenhuma carta a mesma tinha algum tempo. Ele se surpreendeu com a resposta ao saber que erraram sua cirurgia de amígdalas e haviam feito uma cirurgia para colocar silicone e que graças a isso tinha fechado contrato para um filme pornô. Quando a questionou quando foi que tudo aconteceu, ela respondeu que foi semana passada em um e-mail antes da gravação da sua primeira cena em Selvagens na Selva. Desiludido, Picles Jr volta para sua casa com uma garrafa de Caninha da Roça em um saco de pão mas ainda acreditando que logo essa mania de e-mail passará e as pessoas voltaram as boas e velhas cartas.

Alguns anos depois, o movimento caiu bastante e os chefes foram obrigados a fazer um corte de pessoal. Picles ficou desolado, ele não acreditava que aquilo estava acontecendo. Ele perdera o trabalho que sempre amou para um monte de máquinas que não se importavam se as pessoas receberiam ou não suas correspondências. Agora sua vida se resumia a escrever cartas para si mesmo e beber garrafa atrás de garrafa de Caninha da Roça e de Tubaína limão. Mas ele nunca as postou e elas foram amontoando, até o dia em que uma gigantesca pilha de cartas soterrou Picles Jr. Durante 7 dias e 7 noites, ele ficou em baixo do monte de cartas, com cortes feitos pelo papel em todo o corpo e acabou sufocado com um selo que se desprendeu de uma de suas preciosas cartas. Seu último pensamento antes de perder completamente a consciência foi: "Seus maníacos, me vingarei de todos".

Picles Jr acorda em um quarto todo branco. A sua frente encontra-se um homem que ele logo reconheceu como sendo Sr. Picles, seu pai que havia morrido na guerra quando ele ainda era jovem.
Picles Jr: "Papai? Onde estamos? Estou morto?"
Sr. Picles: "Isso não importa agora meu filho. Mas você ainda não pode descansar. Tem um trabalho a cumprir e precisa ser feito o quanto antes."
Nesse momento Sr Picles começa a falar em uma língua que ele não conhecia e sentiu todo seu corpo começar a levar pequenos choques até que ouviu "QUANDO O INFERNO ESTIVER CHEIO, OS MORTOS CAMINHARÃO SOBRE A TERRA. E PARA VOCÊ, ELE ESTÁ LOTADO!"
No mesmo instante as cartas que haviam soterrado o ex-carteiro começaram a mexer e uma mão branca, decrepita e toda machucada pelos cortes de papel surge procurando algo em que se apoiar e nesse momento inicia-se A VINGANÇA DO CARTEIRO ZUMBI!

Sua pele estava pálida, seus olhos sem cor e sua voz não saia. Ao invés dela gritos e urros assustadores que fariam o esqueleto de uma pessoa fugir de dentro de seu corpo. Ele agora era conduzido pelas forças da vingança.

Guiado pelas forças ocultas da vingança, ele sai em direção a seu destino final. O berço do que destruiu sua vida, a central da Telefônica.
Por coincidência do destino, ele acabou caindo em um bueiro aberto mas continuou seguindo seu caminho montado em um jacaré que vivia nos esgotos, isso fez com que não fosse visto pelos seguranças ou por funcionários. Chegando ao seu destino, a central de controle de internet, ele liberou toda a raiva contida desde o dia de sua demissão. Começou a andar de um lado ao outro procurando como completar sua vingança. Até que sem querer tropeçou em um fio que causou um curto-circuito em todos os servidores e nas luzes a sua volta. Percebendo que havia conseguido completar sua missão, procurou uma maneira de sair de lá o mais rápido possível sem ser detectado e dissecado por consequência. Encontrou uma roupa do pessoal de limpeza abandonada e rapidamente vestiu e saiu andando tranquilamente pela porta da frente como se nada tivesse acontecido.
Hoje ele vive no Acre e contracena nos filmes com a mãe de dona Maribel. Ele não é um homem de muitas palavras, mas encontrou um novo significado para sua vida...










Isso é uma obra de ficção. Qualquer semelhança com a realidade nos deve direitos autorais. :-)
Texto de Porco e WC
 

0 comments so far.

Something to say?